(11) 2533-0292
sexta-feira, 16 novembro 2018
Pep
AIDSEspecialista em Aidsespecialista hivHIVhiv sp

O Uso da PEP é Eficiente?

69visualizações
3 min leitura

O uso da PEP é eficiente?

A PEP (Profilaxia Pós-Exposição) é um esquema utilizado como forma de prevenção do vírus HIV e o seu uso está indicado para pessoas que tenham passado por uma situação de risco significativa de se infectar pelo vírus, como por exemplo: violência sexual, tenha tido uma relação sexual desprotegida, caso trabalhe na área da saúde ou caso tenha se acidentado com algum instrumento perfurocortante.

O esquema é composto pelo uso de medicamentos antirretrovirais, com a finalidade de evitar a propagação e a sobrevivência do vírus do HIV no organismo, impedindo assim sua infecção.

O Que Pode Interferir na Eficácia da PEP?

O uso do esquema é indicado para indivíduos que nunca tiveram contato com o vírus anteriormente e que tiveram alguma situação de risco de se infectar com o vírus do HIV (https://sohiv.org/hiv-1-e-hiv-2/). Porém existem alguns fatores que interferir na eficácia do esquema, tais como:

Tempo de início da medicação

Pep

O uso da PEP é indicado para início com no máximo 72 horas após a exposição de risco, após esse período não há eficácia comprovada do esquema. Quanto mais cedo seu início, mais eficiente será seu efeito.

Uso correto

Para  a eficácia do esquema, ou seja, para impedir a infecção, é necessário tomar o remédio uma vez ao dia, durante 28 dias ininterruptos.

Interação medicamentosa

No caso de uso de algum outro tipo de medicamento, deve ser discutido junto ao médico Infectologista para saber se há interação entre eles.

Perfil de Resistência do vírus

O uso de vários esquemas pela mesma pessoa pode fazer com que o vírus crie resistência aos medicamentos do HIV. Por isso, para pessoas que se expõem com frequência, como profissionais do sexo, podem conversar com seu médico sobre a possibilidade de tomar a Profilaxia Pré Exposição (PrEP). 

Saiba a diferente entre PrEP e PEP aqui: https://sohiv.org/prep-e-pep/.

Se o vírus for resistente ao esquema proposto, ele não vai fazer efeito mesmo que a pessoa faça o uso correto.

Em caso da pessoa fonte ser sabidamente portadora do HIV, deve-se analisar o esquema antirretroviral que usa.

Caso houver a suspeita de resistência viral, a pessoa exposta deve receber o mesmo esquema que a pessoa fonte já faz uso ou outro esquema de acordo com o tipo de vírus que ela teve contato.

Quando Não Devo Iniciar a PEP?

Caso a pessoa potencialmente contaminada, realize o teste rápido e o seu resultado seja negativo ou não reagente, a PEP não é indicada, pois esta pessoa é incapaz de transmitir o vírus.

Já no caso se a pessoa que se expôs realize o teste rápido e o resultado seja positivo, também não deve iniciar a PEP, pois significa que já teve contato com o vírus anteriormente.

Vale a pena lembrar que essa é uma medida emergencial e que este não substitui o uso de preservativo durante as relações sexuais. O uso de vários esquemas podem fazer com que o vírus crie resistência ao medicamento.

Deve ser realizado o acompanhamento da PEP por um médico Infectologista, pois controlar possíveis efeitos colaterais devido ao esquema e lidar com qualquer dúvida ou complicação que o paciente possa vir a ter.

Após receber o diagnóstico da infecção por HIV/AIDS, o paciente deve marcar ou pode ser encaminhado para uma consulta com um Especialista na área de Infectologia. Estou aqui para ajudar a prolongar a vida e manter a qualidade para que sua saúde permaneça praticamente intacta.