Infectologista O que faz?
AIDSEspecialista em Aidsespecialista hivHIVhiv sp

PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

A PrEP e PEP são um combinado de medicamentos, oferecidos pelo Ministério da Saúde, que funcionam como métodos preventivo e antirretroviral, respectivamente.
Esses remédios são utilizados quando a pessoa está em constante contato com pessoas que tenham HIV ou quando a pessoa suspeita que se contaminou com o vírus HIV.

Enquanto a PrEP é utilizada por pessoas que ainda não foram contaminadas com o vírus, a PEP é um medicamento que só funciona nos casos de emergência e em até 72h após o contato com uma situação de risco e de possível contágio.

PrEP – PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

A PrEP, sigla para Profilaxia Pré-Exposição, é uma forma de prevenção combinada para evitar novos casos de HIV e outras infecções. Esse medicamento só apresenta eficácia quando atua em conjunto com as vacinas e com os preservativos.

Esse método preventivo impede que o vírus infecte o organismo, desde que a pessoa ainda não tenha entrado em contato com o HIV. O combinado de medicamentos tenofovir e emtricitabina só é fornecido pelo SUS para as pessoas que se encaixam no grupo de risco, ou seja, travestis, transexuais, homossexuais, homens que se relacionam com pessoas do mesmo sexo, profissionais do sexo e maiores de idade não contaminados.

O remédio deve ser tomado todos os dias para impedir que, ao ter contato com o vírus, o organismo impeça que ele se espalhe para as demais células, ou seja, mesmo que o HIV entre no organismo, o remédio impede a infecção.

Por ser tratar de um remédio de uso contínuo, o paciente deve fazer acompanhamento médico e realizar exames regularmente para acompanhar o progresso e eficácia do método.

Grupo de risco – PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

Como o vírus HIV é transmitido por relações sexuais desprotegidas, através do manuseio de seringas, objetos perfurocortantes e de mãe para filho, o governo passou a distribuir método de prevenção para um grupo de pessoas que correm mais chances de se infectar.

Nesse grupo de risco encontram-se trabalhadores da área de saúde, os usuários de drogas injetáveis, trabalhadores do sexo, homossexuais e presidiários, ou seja, pessoas que podem ser contaminadas acidentalmente e por falta de informação, por exemplo.

PEP ou Profilaxia Pós-Exposição

Apesar de a PEP ter o mesmo efeito da PrEP, ela é utilizada em caso emergencial de até 72 horas após o contato com o vírus HIV. E para sua eficácia, ou seja, para impedir a infecção, é necessário tomar o remédio por 28 dias.

O medicamento é indicado caso a pessoa tenha passado por uma situação de risco, como por exemplo: violência sexual, tenha tido uma relação sexual sem preservativo, caso trabalhe na área da saúde ou caso tenha se acidentado com algum instrumento perfurocortante.

Assim como a PrEP, a PEP também é oferecida gratuitamente nos postos de saúde, mas com a diferença de que não há restrição de uso por um determinado perfil de pacientes. E assim como todo remédio, a pessoa pode ter algumas reações ao antirretroviral, como: dor de cabeça, enjoo e diarreia.

Como se prevenir de doenças em viagens? 

Evolução – PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

Quando a pessoa não se medica a tempo ou corretamente, o vírus HIV começa a se multiplicar e consequentemente a se espalhar pelo organismo da pessoa. Como ele é uma infecção silenciosa, a pessoa que não costuma fazer acompanhamento médico anual, só saberá que contraiu o HIV (HIV-1 HIV-2 qual a diferença?) após, aproximadamente, dez anos depois do primeiro contato com o vírus.

Quanto tempo até a AIDS se desenvolver?

Quando chega nesse estágio, a pessoa deve procurar o infectologista para confirmar a presença do vírus, identificar o nível em que a infecção se encontra para, assim, começar o tratamento adequado.

PrEP e PEP - Qual a diferença entre eles?

Tratando a AIDS – PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

Você sabia que HIV não é AIDS?

Caso a pessoa tenha sido diagnosticada com AIDS, ela deve procurar um médico. Só ele poderá dizer qual o nível da doença e como tratá-la.

O tratamento se dá através de um comprimido composto por três medicamentos. Caso o organismo do paciente rejeite o tratamento, o médico prescreve outro tipo de antirretroviral.

O paciente consegue levar a sua vida normalmente, desde que obedeça as prescrições médicas e faça o acompanhamento médico. Isso só é possível porque o antirretroviral impede que o vírus se multiplique, consequentemente, o sistema imunológico da pessoa não fica tão propenso a contrair outras doenças.

Prevenção combinada – PrEP e PEP – Qual a diferença entre eles?

Além da PrEP e PEP, também fazem parte dos métodos de prevenção combinada a testagem para HIV, que pode ser feita gratuitamente no SUS; os preservativos, o gel lubrificante, que diminui o atrito na hora da relação sexual; prevenir a transmissão vertical, em que o vírus é passado de mãe para filho; o tratamentos de infecções e diminuir os riscos de contrair o HIV.

Entre em contato, marque sua consulta

Leave a Response

Após receber o diagnóstico da infecção por HIV/AIDS, o paciente deve marcar ou pode ser encaminhado para uma consulta com um Especialista na área de Infectologia. Estou aqui para ajudar a prolongar a vida e manter a qualidade para que sua saúde permaneça praticamente intacta.