Google Maps Vai Mostrar Blocos De Carnaval No Rio E Em Sc3a3o Paulo1
Google Maps Vai Mostrar Blocos De Carnaval No Rio E Em Sc3a3o Paulo1
AIDScarga viral indetectávelEspecialista em Aidsespecialista hivHIVhiv spMedicina do ViajantePrevenção HIVSífilis

Prevenção e Carnaval HIV/AIDs e Sífilis na Folia

Prevenção e Carnaval HIV/AIDs e Sífilis na Folia - Posso Tudo? Sexo, drogas e Samba e Pagode? Cerveja e bebidas e muita folia?

Prevenção e Carnaval – Com aumento de casos de Sífilis e HIV, prevenção é a Palavra a ser utilizada no Carnaval, A maior cidade do Brasil, São Paulo por meio da prefeitura está lançando uma campanha de distribuição de Camisinhas em alguns blocos importantes da cidade

Prevenção e Carnaval: Infectologista Alerta:
Aumento de Sífilis e HIV

Festa, alegria, diversão! e vale tudo. O Carnaval é sempre festa, sem preconceitos para o brasileiro. Alegria e Diversão sempre garantida. Por todos os estados do País (Já mundialmente conhecido), os foliões tem o costume de aproveitar todos os dias de folia como se fossem os últimos dia da vida, sem com colegas, conhecidos, os amigos, os crushes e, não raro, fazer novos ‘contatinhos’.

É importante salientar que, A pessoa pode não Apresentar esse Sintoma!
Mas ainda assim, estar Infectada pela Sífilis! Cuidado! afirma Infectologista SP

Nessa alegria toda, é bom! Mas pode ficar muito melhor se, ao ter, ou estar em uma relação de mais  intimidade, tendo a consciência de prevenção contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) antigas conhecidas como (DSTs).

Prevenção e Carnaval HIV/AIDs e Sífilis na Folia
Sifilis 5 Duvidas Para Entender A Epidemia De Sifilis

Este sinal, de alerta, vale para todos os dias, clado para a vida inteira!, só que neste período Carnaval. Ano, são que as mobilizações em prol da saúde, tem pelas campanhas de prevenção se intensificam e os muitos médicos reforçam a necessidade dos preservativos.

“A incidência está mudando, porque há uma mudança de comportamento da sociedade”, aponta o urologista da Clínica, doutor em medicina.

Médicos infectologistas e ou de outras áreas médicas, tanto de clínicas particulares ou grandes Hospitais são unanimes e, afirmam que “a população em geral acaba ‘relaxando’ quanto à prevenção”, o que faz aumentar a incidência de doenças que anteriormente tinham números estáveis, como a Sífilis.

Especialistas que comentam sobre os números, afirmam que o número de exames laboratoriais para detecção de ISTs tem um pequeno aumento logo após as festas brasileiras de carnaval, uma vez que elas se desenvolvem normalmente entre 7(sete) a 15(quinze) dias após o contato.

Isso seria um indício de que as infecções podem se espalhar mais facilmente nessa época festiva.

Sífilis e HIV – Lesões Relacionadas

Os dois especialistas destacam o aumento de casos de sífilis nos últimos anos, doença curável, causada por uma bactéria e transmitida por relação sexual sem camisinha com uma pessoa infectada ou para a criança durante a gestação ou parto.

Prevenção e Carnaval: Dados do Boletim Epidemiológico de Sífilis 2018, divulgado pelo Ministério da Saúde, mostram que a taxa de detecção de sífilis adquirida passou de 14,4 casos em 2012 para 58,1 em 2017 por 100 mil habitantes.

Desde 2010 até junho de 2018 foram notificados 479.730 casos da doença.

“É uma doença que estava estável, é completamente prevenível e tratável, não teria motivo para aumentar. Isso é devido a pessoas que não se protegem”, justifica o médico.

A infecção pelo vírus HIV e casos de aids também aumentaram nos últimos anos, aponta outro boletim epidemiológico. De 2007 até junho de 2018, foram notificados 247.795 casos de infecção. O documento aponta que, entre os homens, observou-se um incremento na taxa de detecção na faixa de 15 a 19 anos, passando de três para sete casos, por 100 mil habitantes, entre 2007 e 2017. A maior taxa em 2017 foi de 50,9 casos entre eles, na faixa de 25 a 29 anos.

Infectologista (Prevenção e Carnaval) afirma que o aumento dessas doenças é observado tanto no sistema público quanto privado de saúde.

“Não são doenças ligadas à questão socioeconômica, mas comportamental. E a geração mais jovem está entrando em atividade sexual encarando [as doenças] de forma diferente”, diz também o médico urologista.

Segundo ele, o fato de as ISTs terem tratamento faz com que as pessoas acreditem que, se forem infectadas, basta tratar, não sendo necessário o uso de preservativo. Além da doença Sífilis, o Urologista observa em consultório um aumento no número de pacientes com HPV e gonorreia nos últimos cinco anos. Sempre com perguntas, curiosas, desses casos. Depois da algazarra, onde vale tudo e muitas pessoas deixam a experiencia e ou a responsabilidade um pouco de lado, ouvimos relatos assim Como por exemplo, se a sífilis coça?

Gonorreia e a Festa do Carnaval

Assim como a gonorreia, os especialistas citam a infecção por clamídia como outra doença cujos registros vêm aumentando. Eles explicam que os casos são subnotificados e Torres Filho justifica que, no caso das mulheres, nem sempre há sintomas, o que dificulta o diagnóstico precoce.

Campanhas para o Alerta de Prevenção

Por tudo isso, os médicos veem como necessário o maior investimento em campanhas de prevenção. Neste carnaval, a Prefeitura de São Paulo dá continuidade à campanha Camisinha na Folia, lançada em 2001 e pertencente ao Programa Municipal de DST/Aids (PM DST/Aids), da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo.

Google Maps Vai Mostrar Blocos De Carnaval No Rio E Em Sc3a3o Paulo1
Google Maps Vai Mostrar Blocos De Carnaval No Rio E Em Sc3a3o Paulo1

A partir deste sábado, 23, a iniciativa vai distribuir gratuitamente preservativos em cerca de 20 blocos de rua, ação que começou no ano passado. Antes, o projeto focava nas noites de desfile no Sambódromo do Anhembi e depois passou aos ensaios das escolas de samba.

As unidades estarão disponíveis para os foliões nos oito dias de desfile – dias 23 e 24 de fevereiro, 2, 3, 4, 5, 9 e 10 de março. Somando todas as ações da campanha, o programa colocará à disposição dois milhões de camisinhas gratuitas.

Além do preservativo, a campanha reforça a divulgação da Profilaxia Pós-Exposição (PEP), que deve ser utilizada em até 72 horas após uma situação de risco de infecção pelo HIV, como a camisinha ter saído, rompido ou não ter sido utilizada, além de casos de violência sexual ou acidentes ocupacionais.

Confira a seguir a programação dos blocos de SP que contarão com a campanha Camisinha na Folia: Prevenção e Carnaval

23 de fevereiro
  • Casa Comigo
  • Ritaleena
  • CarnaKOO
  • Sereianos
  • Será que é?
24 de fevereiro
  • Nóis trupica mais não cai
  • Gambiarra e Thiago Abravanel
  • Monobloco
  • Banda do Fuxico
  • Acadêmicos do Baixo Augusta
2 de março
  • João Capota na Alves
  • Jegue Elétrico
  • Tarado Ni Você
  • Bregsnice com Sidnei Magal
  • Bloco Kevin
  • Minhoqueens
3 de março
  • Helipa LGBT+
4 de março
  • Pinga Ni Mim
  • Bloco Emo
5 de março
  • Sai, Hétero
9 de março
  • Bloco da Diversidade
  • Meu Santo É Pop
  • Siga Bem Caminhoneira
10 de março
  • Pipoca da Rainha

 

Após receber o diagnóstico da infecção por HIV/AIDS, o paciente deve marcar ou pode ser encaminhado para uma consulta com um Especialista na área de Infectologia. Estou aqui para ajudar a prolongar a vida e manter a qualidade para que sua saúde permaneça praticamente intacta.