(11) 2533-0292
sexta-feira, 16 novembro 2018
Tenho Hiv - Posso Ter Filhos
Tenho Hiv Posso Ter Filhos
AIDSEspecialista em Aidsespecialista hivfilhos sem HIVgestação HIVHIVhiv sptransmissão HIVtransmissão verticalTratamento HIV

Tenho HIV – Posso Ter Filhos?

40visualizações
3 min leitura

Tenho HIV – posso ter filhos?

Tenho HIV – Posso  ter filhos? – Nos meados da década 80, pessoas portadoras do vírus HIV tinham baixa expectativa de vida.

No entanto, com o avanço da medicina e dos antirretrovirais, o tratamento do HIV tem se mostrado muito eficiente não só no aumento da expectativa de vida dos portadores de HIV, mas também ampliando suas possibilidades de pensar no futuro e uma delas é de ter filhos sem transmitir o vírus para o parceiro e muito menos para a criança.

Tenho HIV – posso ter filhos sem o vírus?

Casais sorodiferentes:

Quando o casal é sorodiferente (um é portador do vírus HIV e o outro não) é preciso avaliar alguns aspectos e adotar a melhor estratégia para o casal. 

Quando a mulher é portadora do vírus com carga viral não suprimida:

  • Auto-inseminação vaginal com esperma do parceiro durante o período peri-ovulatório;
  • Uso de PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) peri-concepção pelo homem soronegativo.

Vale ressaltar que, para se obter uma boa resposta aos medicamentos, o homem deverá dar início da profilaxia com no mínimo uma semana de antecedência ao início da exposição.

Somente a mãe portadora do vírus HIV pode transmitir o vírus para o filho. Pois, quando se é apenas o pai portador do vírus, o pai não consegue transmitir o vírus ao filho.

Tenho Hiv - Posso Ter Filhos

Em que momento a mãe pode transmitir o vírus ao filho:

  • Na formação do feto (gestação);
  • Durante o parto;
  • Através da amamentação.

Como evitar a transmissão vertical do HIV

Alguns fatores auxiliam na redução dos risco de transmissão do HIV de mães para filhos. São eles:

  • Quanto mais precoce o diagnóstico e início do tratamento melhor;
  • A pessoa portadora do vírus precisa ter boa resposta ao tratamento com antirretrovirais;
  • Acompanhamento pré-natal adequado;
  • A mãe que é portadora do vírus precisa se manter com carga viral suprimida persistente;
  • Não possuir outras Infecções sexualmente transmissíveis (IST’s);
  • Não manter relações sexuais com outras pessoas, evitando assim outro risco de exposição;
  • No pós parto o bebê deverá receber os devidos cuidados;
  • O bebê deverá fazer o uso de zidovudina e bactrim;
  • Não amamentar o bebê com o leite materno;
  • Fazer o acompanhamento do bebê com um médico Infectologista Pediatra.

Quando o homem é o portador do vírus com carga viral não suprimida:

  • Uso de PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) peri-concepção pela mulher soronegativa.
  • A relação sexual deverá ser previamente programada para o pico de fertilidade. Diminuindo assim a exposição ao risco de se infectar.

Prevenção combinada

Para evitar qualquer surpresa durante a gestação, é importante investigar estado de saúde tanto do pai quanto da mãe antes da concepção. A seguir, algumas das precauções que devem ser tomadas antes do início da gestação.

  • Realização de testes diagnósticos para o HIV;
  • Uso de Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP);
  • Diagnóstico precoce e tratamento adequado de outras infecções sexualmente transmissíveis (IST’s);
  • Supressão da carga viral através tratamento antirretroviral (TARV);
  • Imunizações.

Caso tenha interesse, agende uma consulta com a nossa especialista em HIV.

Após receber o diagnóstico da infecção por HIV/AIDS, o paciente deve marcar ou pode ser encaminhado para uma consulta com um Especialista na área de Infectologia. Estou aqui para ajudar a prolongar a vida e manter a qualidade para que sua saúde permaneça praticamente intacta.